blog dos trilheiros

TRILHEIROS DA CAATINGA - TURISMO NO CABUGI

No domingo, 13 de outubro  fomos ao Cabugi com o grupo
Camaleão Expedições para concluímos a aventura que se iniciara no sábado.
Logo cedo às 05:15 horas da manhã fomos até a pousada
Cabugi pegarmos a galera antes que o sol judiasse conosco.
Ao chegarmos na porteira do parque demos uma explanação
sobre o relevo do pico e suas exigências, utilizando-se de
uma maquete feita pelo trilheiro João Augusto, em seguida fizemos
um alongamento e demos início a subida numa caminhada de 2 km e 200 m.
O pessoal estava bem  fisicamente e não deu trabalho
na parte que exige mais esforço físico; na parte das rochas
magmáticas onde temos uma uma pressão psicológica mais
acentuada devido a altura e o medo de que role alguma pedra,
percebemos um pouco de aflição em 2 componentes, mas nada que
atrapalhasse o grupo, pois eles venceram seu próprio medo e foram
até o topo. Lá encima, à 590 metros de altitude a euforia, alegria e paz
misturaram-se em um só sentimento: satisfação.
O vento estava bem forte, o mais forte que enfrentei no Cabugi o que
nos fez redobrar a atenção; a pedido de Fábio Henrique (Camaleão),
fizemos silêncio para ouvirmos o som do vento e sentirmos a energia do lugar;
em seguida Leandro Souza fez um discurso (rsrsrsrs) e comandou uma oração;
iniciamos a descida às 09:00 horas e chegamos na porteira às 10: 50 horas
com mais uma missão cumprida. obrigado Camaleão Expedições!
TRILHEIROS DA CAATINGA:
LEANDRO: (84) 98 51 00 22
EUDES: (84) 96 00 16 59
J. aUGUSTO: (84) 96 14 46 30
CÍCERO: (84) 96 03 54 73

CRIME AMBIENTAL NO RIO SALGADO EM LAJES

Por Cícero Lajes.

CRIME AMBIENTAL NO RIO SALGADO EM LAJES

 

Nesta quinta, 10 de outubro de 2013, estive dando uma orientação cujo o tema era:
"educação ambiental". Mas se tratando do agonizante trecho do
Rio Salgado em Lajes que que passa dentro da zona urbana de nossa cidade,
podemos intitular a orientação de: "deseducação ambiental".
Como se não bastasse todo o lixo que encontramos desde a
ponte da BR 304 até a passagem molhada que o rio levou,
flagramos milhares de litros de esgoto doméstico no leito do rio entre as duas passagens molhadas.
É Taipu, eu tenho até pena da barragem desta cidade que recebe as águas do
nosso Rio Salgado! Espero que ninguém a ingira, já os peixes, pobre dos que os comerem.
Intrigante
O que me intrigou é que não há nenhum vazamento tubular ou transbordo de caixa de gordura,
então só podemos imaginar que a água tenha sido despejada no local.
Só espero que não tenha sido o próprio caminhão
da CAERN que vem fazer a desobstrução das tubulações do saneamento básico.

TRILHEIROS DA CAATINGA NO TÚNEL DA "FERROVIA ABANDONADA" - LAJES/CAICÓ

Os Trilheiros da caatinga estiveram no túnel da Fazenda Arara distante há mais ou menos 12 KM da Zona Urbana de Lajes no sentido Lajes/Cerro Corá. Essa expedição não teve apenas o intuito de aventura, bem como uma aproximação com a história da estrada que ligaria Lajes à Caicó mas que nunca foi concluída, deixando cravados no tempo que separa passado e presente: sonhos, relações sociais, na linha de trabalho, possíveis acidentes, estruturas para receber as pontes e pontilhões que nunca chegaram... Segundo meu amigo Cícero Lisboa: "os trilhos foram até a Comunidade Barreiras, próxima ao açude Caraúbas, mas andou trem neles, mas apenas uma pequena máquina que levava material e trabalhadores para a frente de trabalho."
Indo de Lajes para Cerro Corá pela BR (estrada de barro) 104, observamos em boa parte do percurso estruturas dessa linha férrea, inclusive em Recanto, o prédio que hoje é a Capela, segundo seu Cícero Lisboa: "seria uma estação da ferrovia. - Perto de Recanto tem uma estrutura de pontilhão que se você olhar de baixo para cima é arriscado cair."
Chegando ao túnel que tem aproximadamente 100 metros de extensão, logo somos tomados por sentimentos de alegria, frustração pelo abandono da ferrovia, admiração pela obra em uma época com poucos recursos tecnológicos, beleza geológica e acima de tudo satisfação.
Veja o relato do jornalista Tárcio Araújo que já esteve no local antes de nós:
Tárcio Araujo bondade sua nobre Cícero ! na verdade esse roteiro já constava na agenda de vocês trilheiros há tempos. Teria ido com vocês caso estivesse em Lajes. Acho esse local enigmático. Quando atravessei ele tive uma sensação estranha, era como se ouvisse todo o burburinho, barulho e vozes daqueles que trabalharam nessa obra monumental e complexa para a época. Valeu a lembrança, um forte abraço!



Tárcio Araujo Ainda sobre esse túnel, quando citei a sensação de estranheza ao atravessá-lo, lembro do me dizia o saudoso Ozildo Pereira... Segundo ele, os caçadores ouviam vozes à noite que vinham de dentro do túnel, ouvia batida de martelos e picaretas. O velho Ozildo também dizia que ao chegar ao centro do túnel e fechar os olhos por alguns segundo, consegui-se ter a mesma sensação de voltar no tempo e estar entre os trabalhadores da obra. Seria como uma transmutação de espirito. Vai ver, foi por isso que fiquei tão impressionado ! Não sei se era verdade o que o saudoso e folclórico Ozildo afirmava, pelo menos era o que me disse quando visitei o túnel.

"O traçado estabelecido pelos estudos da “Comissão de Obras Contra as Secas” tinha o objetivo de interligar diversas regiões produtivas do estado à cidade do Natal, que funcionaria como porto de escoamento dessa produção. A ocorrência de mais uma seca é responsável por mais uma interrupção nas obras da Central, devido à falta de mão-de-obra ocasionada pelo êxodo para o Amazonas. Apesar disso, os estudos de planejamento do traçado Lajes-Caicó, do ramal Lajes-Macau e do prolongamento Caicó-Milagres são continuados." (trecho retirado da Revista Fazendo História, autor: Adriano Wagner da Silva
No ano de 1925, apesar dos resultados financeiros dos anos que o precederam, os investimentos na linha se tornam consideravelmente difíceis Além disso, a construção de estradas de rodagem é intensificada no Rio Grande do Norte, tais como Natal-Currais Novos, Lajes-Currais Novos, Caicó-Jardim, Currais Novos-Acari e Jardins-Parelhas (VIAÇÃO E OBRAS..., 1925/ Revista Fazendo História)
O reportes Augusto Maranhão disse em uma expedição nesse túnel, que tem uma ordem de serviço de Tavares de Lira para construção do túnel.
Estrutura para pontilhão. Segundo Gilmar, da Rapaziada Potiguar: "De Lajes até Recanto (indo pelo trajeto da linha férrea), são 30 construções dessas.
O início dessa ferrovia se deu por trás do local onde funciona hoje a Churrascaria Guaíba. A empresa construtora era a empresa inglesa Great Western, mas problemas econômicos fez com que o Governo Federal rescindisse o contrato em 1920, passando a assumir as obras que não foi adiante por muito tempo.
Estavam na expedição. os Trilheiros: Eudes, Leandro e Cícero, acompanhados de Jorge e Josenilson.

Este é o leito do Açude do Apertado na Fazenda Arara, nesse momento totalmente seco. Aguarde mais levantamentos sobre a ferrovia Lajes/Cerro Corá/Caicó, que nunca funcionou.

Por: Cícero Lajes

Hoje uma turma de 6 amigos vinda de Natal subiu o Cabugi guiada pelos
Trilheiros da Caatinga em mais uma aventura de tirar o fôlego.
O grupo tem costume de fazer excursões dentro e fora do Brasil,
o que facilitou nosso serviço, pois com a exceção de uma integrante que se recuperava de uma gripe,
ninguém demonstrou cansaço e todos alcançaram o objetivo que era atingir o pico.
Início da Trilha: hs 08:20
Chegada ao pico: hs 10:25
chegada final na porteira: hs 12:30
Os amigos ficaram sabendo de nosso trabalho através de uns amigos do grupo Aventura Mango,
que também viaja pelo mundo e que subiu o Cabugi conosco e recomendou nossos serviços.
No trajeto encontramos algumas pessoas subindo sem guia e pelos locais mais perigosos.
Se você é aventureiro entre em contato com os trilheiros da caatinga!
- Leandro: (84) 98 56 11 66 - Email: Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.
Lucro direto deixado no município:
Guaíba: café da manhã da turma;
Taxista Flávio: transportou os Trilheiros;
Churrascaria O Patuense: almoço da turma;
Posto Odom: combustível de Lajes à Natal;
Trilheiros da Caatinga: gratificação pelo serviço prestado ao grupo;
Lajes: teve seu nome divulgado mais uma vez.
O grupo prometeu voltar e trazer mais amigos para conhecer novos roteiros.
A turma é preparada, então vamos!
Sombra da jurema na 1ª parada
Nada como um descanso para repor a energia
De volta à trilha, nosso objetivo é o pico
Rocha com formato de bola
Hora de apreciar a vista
Enfim todos chegam ao topo, note a alegria da turma, parecem meninos tomando banho de chuva
O Cabugi cobra seu preço, nesse caso descolou o solado dos 2 tênis de nosso turista
Nada como o "jeitinho brasileiro". A solução foi amarrar o solado com cordão
Então vamos descer! "Vamos pra frente que atrás vem gente!"
Ponto de bastante cautela, um escorrego pode terminar em fratura exposta ou traumatismo craniano
Contemple o trabalho da natureza!

São poucas as pessoas que sabem que hoje é o

Dia Nacional da Mata Atlântica, dia esse que seria

para que pudéssemos refletir e tentar sensibilizar as pessoas que estão nosso redor da

importância que tem a mata atlância.

Trabalhar nas salas de aulas com os alunos, mostrar que a cada ano que passa,

tudo isso está se acabando.

Está na hora de refletirmos, vamos a luta, vamos mostrar que fazemos a diferência.

Mais Artigos...

Página 2 de 4

2

Nossos Contatos

Fone: (84) 9938-0853 - Leandro 
Email: contato@trilheirosdacaatinga.org